Ai Portugal, Portugal (parte 800)

Mariza
Fotografia de Lu?s Faustino.

um fot?grafo estrangeiro foi contratado pelo Ministro Manuel Pinho ( marido da respons?vel pelo BESphoto) pela m?dica quantia de 8oo mil euros ( est? certo o n?mero) para fazer uma campanha publicit?ria sobre Portugal.

via [Luiz Carvalho]

O fotografo ? o senhor Ingl?s Nick Knight director do SHOWstudio, aten??o n?o tenho qualquer coisa contra a nacionalidade do artista.
Choca-me uma vez mais a necessidade de ir buscar algu?m de fora para fazer este tipo de trabalhos, n?o temos artistas nesta ?rea capazes Portugueses?
N?o me interessa saber se foram 800 ou 750, vai tudo dar ao mesmo, ? a forma com que se fazem as coisas.
Este artigo ? para mem?ria futura, para me lembrar que pa?s ? este.

10 thoughts on “Ai Portugal, Portugal (parte 800)

  1. É mais um exemplo que para muita gente, o que vem do estrangeiro é melhor que o que é feito cá.

    Parece todo um complexo estúpido, que não consigo perceber…

    Temos muitas vezes duas opções de mercado, uma nacional e outra internacional, e mesmo sendo a internacional de pior qualidade é essa a escolhida… e depois querem que haja uma evolução e investimento no que é feito por cá.

    Provavelmente fazia “comichão” a muita gente se por exemplo em vez de aparecer:

    “Retratos da Costa Oeste da Europe by Nick Knight”, vissemos

    “Retratos da Costa Oeste da Europa by José Orlando”.

    ps: O nome José Orlando, foi um exemplo que não tem necessariamente de ser real.

  2. Dasssss

    PortuEuropeu ????

    Há ai algum design ou conceito que me está a escapar ou os senhores confundiram um e com um a ou o português com o inglês???

    Enfim…

  3. Penso que aqui entra a parte do elitismo de essas pessoas.
    O SHOWstudio tem excelentes trabalhos para grandes clientes internacionais.

    De certo que em Portugal estamos ao nível deles, e provavelmente até conseguiriam fazer algo visualmente mais apelativo mas em contrapartida usaram uma empresa estrangeira com créditos dados.

    E assim sendo foram mais 800 mil euros para os cofres ingleses que eles bem estão a precisar.

    Por outro lado as empresas portuguesas parece que têm medo de mostrar os seus trabalhos em público.

  4. o jose orlando, soh por causa das coisas, eh um grande artista e jah fez enormes campanhas, ateh mais cara do que esta, lah na europa, e mesmo no resto do mundo.

    ficaram na memoria as fotos da serie ‘paris par orland’ e ‘orlandTokyo’, pagas tambem a peso de ouro…

  5. Na minha opinião não está em causa o valor do fotografo, mas sim a forma como as coisas estão a ser conduzidas.
    Para umas coisas aperta-se o cinto, para outras quase se gastam 1 milhão de euros, são dois pesos e duas medidas, só isso!

  6. A mim choca-me particularmente o destaque dado ao nome do fotógrafo…

    Não consigo perceber o porquê do Nick Night estar no cartaz; dá a ideia que é o fotógrafo que dá prestígio ao país.

  7. maique, falei no nome José Orlando como forma de exemplo. Se existe algum profissional na área com o mesmo nome, peço desculpa, mas não tinha conhecimento, e dei esse nome como poderia dar José Silva ou José Augusto, entre outros… daí ter lá o ps.

    Partilho da mesma opinião que o ricardo. Para algumas situações, muito normalmente investimento nacional, temos de apertar o cinto, mas para outras… A balança nunca anda proporcional.

    [ironia on] Gustavo Pimenta, parece que o facto de ter lá o nome do fotógrafo vai valorizar 10% para quem olha para lá. [ironia off]
    O que parece uma parvoíce, e confesso que é outras das coisas que não percebo. Ter o nome sim, mas não num ponto central do cartaz. Quando sinceramente para a maior parte das pessoas, ter lá aquele nome, ou outro seria igual, desde que o cartaz fosse apelativo de forma a cumprir a sua função.

Comments are closed.