O tamanho da blogosfera Portuguesa

Segundo o que foi dito no último painel do 3º Encontro de Weblogs, denominado «Empresas fornecedoras de Serviços», que:

O weblog.com.pt (desde Janeiro de 2006 pertença do Aeiou.pt), têm cerca de 3000 weblogs registados.

O Sapo não deu um número exacto dizendo que têm entre 70000 a 80000 weblogs activos.

O blog.com, afirma que do seu universo de 800 mil weblogs 4% serão portugueses.

Todos os participantes do painel concordaram que estão no serviço do Google, o blogspot.com, 60% dos weblogs da blogosfera portuguesa.

This entry was posted in blogosfera Pt and tagged , . Bookmark the permalink.


32 Responses to O tamanho da blogosfera Portuguesa

  1. O SAPO tem entre 70.000 a 80.000?

    Não te enganas-te (ou eles) num zero?

  2. _41 says:

    Ouvi esses números, mas se a Jonas ou outra pessoa do SAPO estiver a ler este post, pode confirmar os mesmo, sff.

  3. É que só se forem mesmo “criados” porque no activo… sei lá.
    Das largas dezenas de blogs que leio apenas 1 está no SAPO.. daí­ eu achar estranho esse número mas… ok ok 😐

  4. Gostamos pouco de inflacionar números, e o nosso mercado é o português. O Blog.com tem um respeitável número de 800.000 blogs, mas na sua maioria são estrangeiros.

    Assim, e neste preciso momento, os Blogs do SAPO têm 73.022 blogs registados (á meia noite de hoje).

  5. Respondendo ao Cláudio, no que diz respeito á enorme lista de Blogs que lá, e da ausência de Blogs do SAPO nessa lista.

    Essa foi a minha questão no encontro. Porque é que tantos utilizadores de Blogs em Portugal, optam pelo Blogspot?

    Eu consigo perceber que tenham sido os primeiros, e que o primeiro serviço de Blogs do SAPO metesse medo ao susto (era claramente mau), mas hoje, a qualidade já não é tema, e a haver diferenças (e há) é maior a qualidade dos Blogs do SAPO.

    As pessoas resistem à mudança, mesmo que seja para melhor 🙂

  6. Maria:

    Sim realmente já tive oportunidade de experimentar os blogs do sapo e estáo bem melhores (em alguns aspectos) em relação ao Blog.com assim como ao Blogspot.com.

    Mas numa coisa (e clara) o Blog.com e o Blogspot.com ficam logo a ganhar… o dominio.

    Por maior que o nome seja (blogspot.com vs blogs.sapo.pt) os “pontos” atrapalham em muito.

    Eu entendo que têm que seguir a marca SAPO, mas nâo há maneira de dar a volta? unh…

    blogsapo.pt ?
    sapoblogs.pt ?

  7. _41 says:

    @Cláudio, a resposta foi rápida.

    @Mª João, obrigado por partilhares essa informação.

  8. Pingback: zone41 — Ainda escolhes o blogspot, porquê?

  9. Pingback: SAPO tem 73 022 blogs « Atrium - Media e Cidadania

  10. Paulo says:

    Eu coloco a questão de outra maneira: dentro de meia dúzia de meses. quanto pagará o Sapo, ou o Blogspot, ou o blog.com, para que eu tenha o meu blog alojdo nas suas platafornas? Esta é a questão que interessa agora.

  11. Paulo, sendo dí­ficil neste negócio prever o futuro, não me comprometo com uma resposta, mas posso afirmar-lhe algumas intenções, no que ao SAPO diz respeito.

    Dentro de meia dúzia de meses (tal como agora) o SAPO “pagar-lhe-á” dando-lhe a oportunidade de usufruir GRATUITAMENTE de uma plataforma eficaz, rápida, estável e funcional. “Pagar-lhe-á” também com storage (espaço em disco) para alojar os seus conteúdos (fotos, imagens, sons, videos, etc). “Pagar-lhe-á” com visibilidade, através de destaques editoriais (caso os seus conteúdos justifiquem esses destaques), ou destaques automáticos (últimas actualizações).

    O SAPO “pagar-lhe-á” fornecendo-lhe um serviço de apoio a cliente rápido, e na sua lí­ngua.

    Por último, o SAPO “pagar-lhe-á” acolhendo o seu Blog com o respeito e carinho que lhe merecem 99,99% dos Blogs que escolhem o SAPO para se alojarem.

    🙂

  12. Nuno Barreto says:

    Desculpem lá, mas quem é que ia pagar ao Paulo Querido para ter um blog dele na sua plataforma? Espero bem que o Sapo nunca o faça.

    Dependendo da estratégia, pode valer a pena convidar pessoas, mas pessoas que percebam do negócio do qual falam.

  13. Nuno, julgo que o não se estaria a referir a pagar-lhe a ele especificamente, mas sim numa tendência das plataformas tentarem cada vez mais angariar utilizadores e com o aumento da concorrência e com serviços cada vez melhores terem de dar algo em troca. Mas vindo de quem vem, se calhar não era nada disso e tu é que fizeste a interpretação correcta.

    Gostei da resposta da Mª João. Eu de facto acho que o melhor que um serviço de blogs pode oferecer é de facto um bom serviço, se os bloggers quiserem, que arranjem formas de os rentabilizar, e há muitas…

  14. Bruno Amaral says:

    Acho que nos estamos a esquecer de pequenos detalhes. Quantos portugueses têm blogs em servidores web tradicionais em vez de optar por um serviço gratuito ?
    São mais ou menos influentes que os restantes ?
    De todos os blogs registados, quantos são actualizados pelo menos uma vez cada quinze dias ?
    O que ganham os “independentes” que optam por criar um blog sozinhos ? e o que perdem ?

    Sinceramente não sei o que responder a estas perguntas, mas é nisto que tenho estado a pensar quando vi que se andava a tentar medir a blogosfera lusa.

  15. Paulo says:

    Cara Maria João, é efectivamente uma boa resposta. Colocou o “pagar” entre aspas, o que é ficar logo fora a conversa. O resto é paleio comercial, pelo que fiquei esclarecido: excepto em casos profissionais de testes e assim, nunca terei um blog no Sapo, não dão em troca nada que eu já não tenha ou não exista na blogosfera aos pontapés. Claro que com isto não estou a deslustrar no serviço. Acredito que seja o melhor da galá¡xia. E devo acrescentar que o mesmo se aplica ás outras duas plataformas que fizeram propaganda no 3º Encontro.
    Caro Nuno Barreto, o seu comentário é a) acintoso e b) mentiroso. Não merece resposta pública. Se quiser fazer o favor de me interpelar em privado, por e-mail, poderei desfazer os seus equí­vocos acerca de alguém que não conhece de todo e que não pode em circunstancia alguma avaliar de forma a emitir um juí­zo de valor como este. Se estivessemos no meu blog, sabe muito bem para onde o mandava e mais à sua conversinha escarninha.
    Caro Sérgio, origado pelo benefício da dúvida. Só não percebi essa do “vindo de quem vêm”. Você não me conhece de parte alguma para deixar uma frase assasina dessas no ar.
    Caro Bruno Amaral, essas são boas perguntas que entrocam nas minhas. As respostas que lhe posso dar, não darei neste ambiente hostil.
    Uma achega apenas para a questão da “influência”: é muito relativa num meio tão disperso. Penso que fora alguns blogs que influenciam MUITO comunidades bem pequenas e um punhado de históricos (punhado de 2 ou 3) que influencia POUCO comunidades bastante maiores, à  escala nacional, e mesmo esses tiram mais partido do peso das suas reputações off-line e do facto de serem early adopters do que propriamente das suas competências online. Haverá mais, mas só me lembro de uma excepção a esta regra.
    Se surgisse hoje, a grande maioria dos blogs da a-list não conseguiria ir lá parar. Porque falta-lhe a habilidade tecnológica que o meio hoje exige, e e porque a concorrência seria muito maior.

  16. filinto says:

    Além dos citados há outros como o blog-city e o wordpress…

    Para responder à Maria João, até porque não o consegui fazer no encontro, penso que a resposta deve estar algures entre o comodismo, que se falou lá na reitoria, e penso que as pessoas têm alguma dificuldade em confiar numa plataforma que funcionou com cortes, que impunha limites absurdos, que apagava blogs ao fim de determinado tempo (“sous les paves la plage”, um dos melhores blogs portugueses, que se perdeu). A memória, por muitas mudanças que tenham sido operadas no serviço, é significativa num produto de dois ou três anos. E além disso, os blogs do Sapo tem custos sim senhora, porque ao abrir um blog vejo-me obrigado a ter um mail do Sapo…

    Em relação à qualidade do serviço da Blogger não digo nada porque há quase um ano que deixei de utilizar, mas quem conheço e utiliza o BBeta me diz que está satisfeito, aliás o professor Orihuela disse-o no workshop de domingo.

  17. Nuno Barreto says:

    Paulo, a minha opinião, e provavelmente a do Sérgio, vem de ler os seus artigos. Que para ser sincero já não os leio. É que aquilo que escrevemos fala muito de nós. Se assim não fosse, o que escrevemos seria hipócrita.

    Peço desculpa se o ofendi com o comentá¡rio, talvez devesse ter sido mais claro. Talvez se tivesse mais cuidado com a forma como escrevi , isso não acontecesse. Mas gostaria que não visse a crí­tica aos seus artigos como um ataque pessoal.

    Só a tí­tulo de curiosidade, comecei a ler os seus artigos há uns 2 anos atrás por uma razão muito simples. Eram tão ridicularizados por todas as pessoas que eu conhecia, no meio da internet e da informática, que fiquei curioso.

    Na minha opinião, os artigos não são assim tão maus, e há alguns que até são bastante bons.

    Por isso gostaria que visse o meu comentário acima não como um ataque à sua pessoa, mas como a minha opinião de que talvez faça sentido ter bloggers convidados (ou até pagos) numa determinada plataforma, mas que sejam pessoas que são valorizadas pelas pessoas da área de que falam.

  18. Paulo says:

    Caro Nuno, eu não compito com geeks ou nerds. Escrevo sobre um mundo técnico de elevada exigência para leigos, ou um pouco acima de leigos. É natural que seja ridicularizado pelo geeks e nerds a quem não interessa pevas a informação útil, ou se quiser a divulgação, das próprias actividades. Estou habituado a isso. E ao contrá¡rio: no meu jornal pediam-me amiude que fosse menos… técnico!
    Quanto à teoria e à conversa em questão: faz sentido convidar pessoas que tragam valor, mas não acho que isso faça algum tipo de diferença ao Sapo ou a outro alojamento de massas. Para esses o que interessa mesmo é as massas, e num caso, Sapo, terem oferta alternativa dentro da rede para minimizar os custos da banda. Isso fez, fazia, sentido numa plataforma de minorias, como até certo ponto o weblog.com.pt foi.
    Outra achega: a minha questão anterior tinha outro objectivo. Mas pelas respostas dá para peceber que é muito cedo para a colocar.

  19. _41 says:

    Paulo,
    podes colocar a questão de outra maneira, sff.

    Acho que ia ajudar.

  20. Paulo, acho piada quando diz que eu não o conheço de lado nenhum. Conheço-o do seu blog, que como sabe deixei de subscrever e visitar e conheço-o do DoMelhor e conheço-o também dos artigos do Expresso. O que posso dizer de si (pela imagem que me dá na forma dos seus artigos e na forma como se dirige ás outras pessoas nos comentários, não só no seu blogue, mas também nos outros e até no Expresso) é que me parece uma pessoa arrogante e egocentrica, mas provavelmente é um fato que veste. Repito: é a imagem com que eu fico de si.

    Não me parece que este seja o local para este tipo de discussoes quanto mais não seja por respeito ao Ricardo, apenas senti a necessidade de esclarecer a minha afirmação “assassina”.

  21. _41 says:

    Direito ao contraditorio pode sempre seguir via e-mail, é só pedir.
    Se prentenderem visto que aqui o weblog ainda não é como aqueles antigos lavadouros públicos.

    Ao Paulo Querido quer queiram quer não têm todo o mérito pelo facto de ter criado uma rede de weblogs fora de um grande grupo economico entre outros serviços na rede.
    Bom senso, ok?

  22. Tanta coisa para responder/comentar, assim de repente 🙂

    Bom, em primeiro lugar, garantidamente os Blogs do SAPO não pretendem pagar a quem quer que seja, para usar os Blogs do SAPO.

    Uma pequena correcção, à observação do filinto (embora concorde com a opinião de que o SAPO está a pagar a factura, com juros, do mau serviço de Blogs que tinha antes). O SAPO NUNCA apagou Blogs por estes terem deixado de ser usados. Foram muito poucos os Blogs removidos, e os que foram removidos pelo SAPO foram-no por razões legais. Sei do que estou a falar, porque era eu a única pessoa com essa responsabilidade.

    Só mais uma nota, para o Paulo. Ao SAPO interessa o volume, obviamente, mas não é menos importante a qualidade dos conteúdos. Promover essa qualidade é estar a promover mais qualidade e, indirectamente, a quantidade.

    “O resto é paleio comercial, pelo que fiquei esclarecido: excepto em casos profissionais de testes e assim, nunca terei um blog no Sapo, não dão em troca nada que eu já não tenha ou não exista na blogosfera aos pontapés.”

    O Paulo não é o target dos Blogs do SAPO. Não sendo propriamente um geek ou alguém com enormes skills do ponto de vista técnico, é uma pessoa esclarecida sobre estes temas, acima da média do utilizador comum. Pelo que aquilo que para si é “paleio comercial” e não representa nenhuma mais valia, para outras pessoas pode representar a diferença 🙂

    Isto está animado (embora em alguns aspectos esteja animado da forma errada).

  23. Paulo says:

    Cara Maria João, a animação é positiva — e raramente vai pela forma como cada um de nós gostava 😉
    Respondo-te (não aguento mais tempo o formalismo do você contigo) só isto: não, não sou o target do Sapo. Deixei isso bem claro. E não belisquei minimamente o Sapo. (Acho que chegam atrasados ás coisas, mas isso é próprio das estruturas grandes.)

    Caro Sérgio Rebelo, o meio online é muito agressivo; eu defendo-me o melhor que posso. Que isso é confudí­vel com arrogância, é. Se me conhecesse iria teria muito provavelmente outra imagem de mim (não necessariamente melhor, mas outra). E ficou esclarecida a questão.

    Caro _41, a questão é: como passar ao passo seguinte na auto-edição? A questão é: o Blogger já dá aos utilizadores algo mais do que “a oportunidade de usufruir GRATUITAMENTE de uma plataforma eficaz, rápida, estável e funcional”. Dá-lhes uma conta no AdSense que para a maioria será uma mera ilusão mas para uma minoria será uma fonte de receita não desprezí­vel.
    A questão é que o Sapo e os outros portugueses ainda estão no campeonato da (desculpa Maria João voltar a citar palavras tuas, mas aplicam-se) “visibilidade, através de destaques editoriais” e “destaques automáticos” — coisas que toda gente tem em praticamente qualquer plataforma com menos de 2 anos, enquanto o WordPress, o TypePad e o Blogger já passaram para o escalão dos serviços adicionais (que era o meu caminho no weblog.com.pt), pagos em cash ou outros modelos que constituam uma mais valia para os bloggers.

    A questão é esta: se eu for um blogger de segunda geração, porque havia de preferir o Sapo ao Blogger?

  24. _41 says:

    Neste momento um blogger de segunda geração, quer espaço para alojar as suas fotos sem problemas, colocar os seus podcast/videocast e ter uma assistencia no caso de ter perdido o template todo.

    Quanto irá custar um serviço desses?

    Digo isto porque conhece gente que não quer andar a abrir contas em todos estes serviços para conseguir publicar no seu blogue com todas aquelas funcionalidades.

  25. Olá de novo.

    Eu sou suspeita, obviamente, mas encontro várias razões para que os Blogs do SAPO sejam utilizados.

    Não queria ir pelo caminho de dizer mal da permformance da concorrência, acho que nos devemos destacar por mérito próprio e não por demérito de terceiros.

    Só para referir a questão que o Paulo destacou, da visibilidade que “toda gente tem em praticamente qualquer plataforma com menos de 2 anos”. Os destaques editoriais e automáticos num univeros de milhões de Blogs, numa plataforma que comunica em inglês, serão certamente diferentes dos destaques feitos por uma plataforma que é gerida por pessoas que falam a mesma lí­ngua que os autores.

    Quanto aos serviços adicionais….de que serviços falas tu? (Sim, deixemos de lado a 3ª pessoa). E não te esqueças que o universo SAPO tentando abranger todos tem uma quantidade significativa de utilizadores que estão longe de serem os tais “utilizadores de 2ª geração”.

    RSS, Tags, e outras coisas que os mais conhecedores já tratam por tu, são coisas de difícil penetração no universo de quem entrou há pouco tempo nesta á¡rea.

    A única “desvantagem” desta discussão é que é participada apenas por pessoas que já têm um know-how significativo nesta área e que por isso mesmo valorizam questões que são completamente marginais para o utilizador comum.

  26. Paulo says:

    Cara Maria João, apressadamente porque estou em plena escrita: precisamente!

    A conversa aqui prendia-se com as questões que escapam ao utilizador comum (no sentido que lhe estás a dar). São as minhas questões. Que ficarão sem respostas. Nem o Sapo nem o Blog.com têm a vocação para “dar” ao blogger alguma coisa, as respectivas vocações são de lhe “pedir”.

  27. Talvez então fosse boa ideia pensar em aquirir “novos” users e não “roubar” aos outros.

    As mudanças são sempre mais complicadas.

  28. Acho que o Cláudio tocou num ponto importante. Tentar adquirir novos users. É verdade que já muita gente tem blogs e que provavelmente parece mais fácil tentar roubar os que já estão noutras plataformas do que angariar os que ainda não os têm, mas talvez seja altura de tentar inovar mais e apostar noutros formatos, como complemento dos blogs tradicionais. Podcasts, Videoblogs são apenas um exemplo de outros formatos de blogs que têm tendência para aumentar cada vez mais e cujo mercado ainda não estã saturado. Seria uma boa ideia para o Sapo se demarcar e, dessa forma também roubar uns users pelo caminho.

  29. Posso ser um bocadinho exagerada?

    Obrigadinhos.

    Eu cá quero-os a todos 🙂 Aos novos, aos velhos, aos gordos e aos magros, a eles e a elas.

    Agora um pouco mais a sério. Eu cá não quero roubar nada a ninguém. O que eu gostava (já a minha mãe me dizia “tu não queres, tu gostavas”) era que as pessoas, antes de escolherem, que comparassem. E depois escolhessem a que mais lhes agradasse. Não acho que haja qualquer plataforma que consiga agradar a gregos e a troianos. Mas só isso, gostava de estar no prato da balança. E a verdade é que não estou (ainda).

    Por último, gostava imenso de embarcar noutras áras desta troca de ideias, como a vocação do SAPO, e o dar e pedir, mas a verdade é que não falo em nome do SAPO, sou responsável por vários projectos, no SAPO um deles é o dos Blogs, no qual tenho alguma autonomia, e com o qual estou familiarizada, mas dando a cara como colaboradora do SAPO (e que veste a camisola, sim senhor) não posso nem quero aventurar-me noutras matárias em que, tendo opinião própria, extravasaria as minhas competências.

  30. Eh lá, grande thread! Deixo uma achega sobre os números do mercado… No painel estava a fazer umas contas de cabeça sobre o tamanho da blogosfera portuguesa, para tentar validar o numero de que 70% dos blogs estão no blogspot.

    Os numeros sao qq coisa deste genero: Hoje em dia estao ligadas a net 1100 milhoes de pessoas, e estas produzem 55 milhoes de blogs. Numa proporção directa, dado que há ~6 milhoes de portugueses ligados à net, isto daria a portugal 300 mil blogs, e ao blogspot uma quota de mercado de ~50%.

    Acontece que Portugal tem uma taxa de penetração de internet de ~60%, o que nos coloca no pelotão da frente a este ní­vel, e é natural que nos coloque também no pelotão da frente ao ni­vel do número de blogs. Pessoalmente, eu colocaria o número nos 500 mil, embora seja pelo método estatí­stico de atirar numeros ao ar.

    Aproveito o facto de o Paulo Querido andar a ler esta thread, para levantar uma questão que lhe teria levantado pessoalmente se ele tivesse vindo ao Porto: Porquê persistir no caminho de ter o weblog.com.pt como plataforma generalista de blogs, a competir com o sapo, em vez de seguir para nanopublishing, que claramente é economicamente viável (e muito lucrativo)?

  31. Zone41 says:

    Sergio, bem vindo ao Zone41!

    Obrigado pelos esclarecimentos toda a gente vai agradecer pelos mesmos.

  32. Pingback: Ponto Sapo » Archive » Os Blogs do Sapo