Alexandre O’Neill – Portugal

Aqui nasceu Portugal
Guimarães, Portugal.

Ó Portugal, se fosses só três sílabas,
linda vista para o mar,
Minho verde, Algarve de cal,
jerico rapando o espinhaço da terra,
surdo e miudinho,
moinho a braços com um vento
testarudo, mas embolado e, afinal, amigo,
se fosses só o sal, o sol, o sul,
o ladino pardal,
o manso boi coloquial,
a rechinante sardinha,
a desancada varina,
o plumitivo ladrilhado de lindos adjectivos,
a muda queixa amendoada
duns olhos pestanítidos,
se fosses só a cegarrega do estio, dos estilos,
o ferrugento cão asmático das praias,
o grilo engaiolado, a grila no lábio,
o calendário na parede, o emblema na lapela,
ó Portugal, se fosses só três sílabas
de plástico, que era mais barato!
*
Doceiras de Amarante, barristas de Barcelos,
rendeiras de Viana, toureiros da Golegã,
não há “papo-de-anjo” que seja o meu derriço,
galo que cante a cores na minha prateleira,
alvura arrendada para o meu devaneio,
bandarilha que possa enfeitar-me o cachaço.
Portugal: questão que eu tenho comigo mesmo,
golpe até ao osso, fome sem entretém,
perdigueiro marrado e sem narizes, sem perdizes,
rocim engraxado,
feira cabisbaixa,
meu remorso,
meu remorso de todos nós . . .

Graffiti em Olhão

Graffiti em Olhão
Fotografia de marllene, publicadas com a autorização da autora.

O graffiti em Olhão é uma coisa séria.
Casas abandonadas e grandes muros servem de tela ao trabalho de grupos de writters. Com o seu trabalho na maioria dos casos alertam para o abandono a que chegaram determinados imóveis.
A qualidade dos trabalhos é excelente, disso os proprietários não se podem queixar ao ver o seu património ganhar cor com o graffiti.
Aliás muitos não vêm tinta talvez desde a sua construção, tal é o abandono que apresentam.

A especulação imobiliária poderá ser a culpada de muitos prédios apodrecerem e chegarem a ruínas.
Mas será que a cidade pode ficar refém de uma situação como esta?

Graffiti em Olhão
Fotografia de marllene, publicadas com a autorização da autora.

O abandono a que chegaram demasiados prédios e habitações em Olhão contrastam com a expansão desenfreada de uma parte da cidade.
Estes writters para mim apenas mostram o que não está a ser feito.

Devia-se estar a recuperar construções antigas na sua traça original, isso ajudaria a manter a imagem da cidade de Olhão.
Não estou contra a ampliação da cidade com novas construções, apenas acho que a cidade está a crescer e a esquecer parte da sua identidade.
A recuperação do que resta da zona histórica acho que deveria ser uma prioridade.

Será que continuariam a fazer graffiti nestas mesmas casas se estas estivessem recuperadas?
Acredito que não, bem numa ou noutra por ventura o fariam.
Mas quem disse que o graffiti não pode ser arte se for bem feito?